1. Hospedagem

    No bairro da Serrinha e nos arredores, há pousadas aconchegantes e até um hostel

  2. Semana #ocupeaserrinha

    A última semana da edição de 2017 do Arte Serrinha nasceu pra dar oportunidade para jovens artistas mostrarem suas pesquisas e produções independentes. Todas as oficinas, performances e apresentações são gratuitas e as inscrições deverão ser feitas na própria Fazenda.
  3. Bairro da Serrinha

    Shows

    // Galpão Busca Vida
    Localizado num sítio da região onde, desde 1998, a antiga leiteria funciona como pizzaria, cachaçaria e casa de espetáculos, foi no Galpão que a cachaça Busca Vida, famosa no Brasil inteiro, foi criada. A decoração é altamente cênica e aproveitou-se de partes de cenários de teatro, antiguidades, obras de arte.

    01 de julho, 22h
    Curumin – Festa de lançamento do Festival Arte Serrinha 2017
    “Boca” é o título do esperado quarto disco do cantor, compositor, produtor e multi-instrumentista paulistano Curumin. Lançado 5 anos após seu último álbum, o elogiado Arrocha (2012), o disco foi produzido por Curumin ao lado de Lucas Martins e Zé Nigro, que também formam a banda nos shows da turnê. Dentre as participações, além de Russo Passapusso, parceiro certo na musicalidade e na expressão, Boca traz ainda o inédito encontro com Rico Dalassam em Tramela – arrebatada por expressões inventadas e estranhamente compreendidas. Outros convidados são a espanhola Indee Styla, o rapper Max B.O e as parceiras de longa data Iara Rennó, Anelis Assumpção e Andréia Dias. “Boca” tem arte gráfica assinada por Ava Rocha. O projeto conta com o patrocínio do programa Natura Musical, através do Proac, Programa de Apoio à Cultura  da Secretaria de Cultura do Estado de SP.
    Ingressos antecipados com desconto aqui.

    15 de julho, 22h
    Black Alien
    Black Alien nasceu Gustavo de Almeida Ribeiro e subiu em um palco pela primeira vez em 1993, período de efervescência na cena underground carioca, ao lado do rapper e instrumentista Speedfreaks (1971- 2010) e do DJ Rodrigues. Foi com o Planet Hemp que o artista ganhou projeção nacional e internacional. Em carreira solo, Black Alien colaborou com grandes nomes como Paralamas do Sucesso, Fernanda Abreu, Sabotage, entre outros. “Babylon by Gus vol. I – O Ano do Macaco”, é o título de seu premiado disco de estreia solo, considerado por muitos um clássico do rap nacional. Em 2015 veio o tão aguardado “Babylon by Gus vol. II – No Princípio Era o Verbo”. A habilidade com as palavras, canto sinuoso, a rapidez no flow e o estilo jamaicano somado à facilidade em escrever tanto em inglês quanto em português tornaram-se características peculiares do artista.
    Ingressos:  R$100 inteira e R$ 50 meia entrada
    Ingressos antecipados com desconto aqui.

    22 de julho, 22h
    Nereu Mocotó com Banda Vitrolla 70
    Nereu São José é o fenomenal pandeirista, cantor e compositor do Trio Mocotó ou apenas Nereu Mocotó como é conhecido mundialmente por sua forma única de tocar o seu pandeiro. Sobe ao palco com seu repertório empolgante junto com a banda Vitrolla 70, que o mesmo apadrinhou, em uma parceria essa que vem se destacando na cena musical. O repertório conta com “hits” como: Não Adianta, Beleza Beleza Beleza, Crioula, Pensando Nela e outras.
    Ingressos antecipados com desconto aqui.

    29 de julho, 22h
    Pedra Branca
    Fundado em 2001 por Luciano Sallun, o Pedra Branca é um grupo multicultural que une ritmos universais com a sonoridade brasileira e contemporânea. Com 5 álbuns lançados internacionalmente, a formação traz instrumentos como sitar, oud, didgeridoo, berimbal, darbuka, djembe, etc. O grupo apresenta a fusão de música eletrônica, dentro de diversas vertentes como trip hop, downbeat, ambient e lounge music, com as músicas instrumentais e clássicas de origens indiana, asiática, árabe, africana, latina, européia e brasileira. Durante os shows são incorporados elementos multimídias com projeções visuais, danças, performances e circo, criando uma energia musical, um encontro de sons e cores entre Oriente e Ocidente.
    R$ 60 inteira e R$ 30 meia entrada
    Ingressos antecipados com desconto aqui.

    // Teatro Rural
    Fica no Sitio Santo Antônio, próximo ao Galpão Busca Vida. Com apenas 60 lugares e construído com materiais reciclados, foi idealizado por Carlos de Oliveira, mesmo proprietário do Galpão Busca Vida, como alternativa cultural para a comunidade da Serrinha. Aqui, durante o Festival, acontecem algumas peças de teatro e apresentações musicais.

    16 de julho, 18h
    Tangos Brasileiros
    Danças Polifônicas apresenta Tangos Brasileiros, obra transdisciplinar que propõe o encontro do esquecido tango brasileiro de Chiquinha Gonzaga, Ernesto Nazareth e Henrique Alves Mesquita com o tango portenho tradicional e moderno de Piazzolla e o tango contemporâneo. Através da história de Chiquinha Gonzaga surge uma reflexão sobre a condição feminina e o lugar da cultura na memória. Em um diálogo entre dança, música e artes visuais, cria-se um ritual que recupera raízes poéticas da América do Sul. Este projeto realizado através do Edital ProAC Artes Integradas I, produziu também um artigo com a pesquisa esta importante forma musical que influenciou o aparecimento do choro e do samba. O artigo e mais informações sobre o projeto podem ser encontrados aqui.
    Gratuito

    30 de julho, 18h
    Bárbara Eugenia e Tatá Aeroplano
    Lançamento do disco “Vida Ventureira”
    Gratuito

    // Café do Ateliê – Fazenda Serrinha

    10 de julho, 21h
    New Amsterdams Clarinet Quartet
    Quarteto de clarinetistas composta por Sergio, Bart, Tom e Jesse, formados pelo Conservatório de Amsterdã, na Holanda. O trabalho do grupo se destaca pelo amor aos diferentes tipos de clarinete e principalmente pelo o prazer de fazer música em grupo. Em 2015, eles foram convidados para o festival holandês “Grachtenfestivalprijs”, o maior festival de música erudita da Holanda, e em 2017, lançaram seu álbum de estreia “An Ode to Amsterdam” no projeto de concertos “Tracks” no Royal Concertgebouw Amsterdam. O quarteto também se apresentou no 1º Festival Holandês de Clarinetes no The Muziekgebouw aan’t lj e no BIMHUIS, uma das principais casas holandesas de música contemporânea e jazz, respectivamente. Nesse festival foi possível ver todos as vertentes dos clarinetes, para todas as idades e em diversos estilos musicais diferentes.
    Gratuito.

    // Residência Expedição Brasil Profundo – Ateliê da Serrinha
    A Fazenda Serrinha é onde acontecem as oficinas, debates e performances. Propriedade de café centenária, é reconhecida como reserva ecológica particular e abriga um parque de instalações. Funciona como centro de vivências e experimentações culturais e ambientais.

    Benjamim Taubkin e convidados

    18 de julho, 20h
    Lena Bahule (Moçambique), Salam Alsayed (Síria) e João Taubkin

    19 de julho, 20h
    Meno del Picchia, Guizado, Zé Pi, Marcos Leite, Victor Rolfsen, João Velhote e Paulinho Paes.

    20 de julho, 20h
    José Miguel Wisnik

    21 de julho, 20h
    Lançamento do filme “Música pelos Poros”
    Dirigido por Marcelo Machado, o filme foi gravado durante o Festival Arte Serrinha 2015.

     

    (Foto por Haroldo Saboia)

  4. Piracaia

    Cine Rancho

    O Cine Rancho funciona numa pizzaria, dentro da Fazenda Fortaleza, próximo a Piracaia. Ali, nas noites de sextas e sábado do Festival, realiza-se um ciclo de cinema nacional. As sessões acontecem sempre às 21h entrada gratuita e são seguidas de bate papo com os diretores.

    Programação 2017

    // 01 de julho
    Elis – Hugo Prata , 2016 ( 1h 55min )

     

     

    // 7 e 8 de julho
    Pequeno Segredo – David Schurmann , 2016 ( 1h 47min )

     

     

    // 14 e 15 de julho
    Pitanga – Beto Brant e Camila Pitanga, 2017 ( 1h 50min )

     

     

    // 21 e 22 de julho
    La Vingança – Fernando Fraiha e Jiddu Pinheiro, 2017 ( 1h 30min )

     

     

    // 28 e 29 de julho
    Vermelho Russo – Charly Braun , 2016 ( 1h 30min )

     

    CINE RANCHO – Fazenda Fortaleza, Rodovia Padre Aldo Boline, km 80,7. Sessões gratuitas de cinema. 21h. Capacidade 50 lugares. Classificação indicativa 14 anos.

     

  5. Água Comprida

    Núcleo Água Comprida

    Bairro vizinho à Serrinha, que vive um intenso processo de urbanização, a Água Comprida sedia, desde o início das atividades do Festival, um programa de oficinas educativas. Além do viés cultural, as atividades procuram restabelecer ligações entre a comunidade, suas raízes históricas e meio ambiente.

    Oficinas de Arte para crianças
    Galpão da Igreja São Sebastião – Água Comprida
    De 10 a 19 de Julho
    Valor: R$ 30,00/dia
    Gratuito para moradores dos bairros Água Comprida, Morro Grande, Serrinha, Bacci e Boa Vista.
    Inscrições: (11) 9.7340.9226 com Vanessa Pinheiro

    //oficina de artes cênicas: teatro, circo e dança
    Instituto Entrando em Cena
    Galpão da Igreja São Sebastião – Água Comprida
    De 10 a 14 de julho das 14h às 17h
    7 a 12 anos

    10/07 – Segunda – oficina de dança afro
    Experiências brincantes com a dança afro e os 04 elementos da natureza [terra, fogo, água e ar]. Com grupo Nio Far: Daniela Grandi, Fhee Ternaci, Kelvim César, Rosana Guimarães,  Jéssica lora, Lícia Magdalena e Taynara André.

    11/07 – Terça – Teatro
    Jogos teatrais com foco na descoberta de personagens a partir de cantigas e leituras de histórias e lendas dos povos indígenas brasileiros. Com grupo Os Bagaceiros: Ana Arantes, Gabriel da Silva, Jonatas Henrique, Kelvin Cesar, Luiza Campos, Marcelo Italo e Otavio Almeida.

    12/07 – Quarta – oficina de circo / acrobacias de solo
    Envolve brincadeiras de  equilíbrio em grupo, som e movimentos corporais. Com grupo The Fools: Thaissa Gomory e Gabriel da Silva

    13/07 – Quinta – Circo Malabares
    Aula aberta com o artista-formador Junior Rubio de malabares: confecção e manipulação de objetos circenses. Participam: alunos do primeiro ato de circo e Kelvin Cesar.

    14/07 – Sexta – Circo Aéreos
    Envolve equipamentos circenses e acrobáticos como tecido, trapézio e bambolê. Com Trupe Du-arte: Isadora Teixeira, Jaqueline Gomes, Julia Tolentino e Raissa Costa

    Instituto Entrando em Cena

    O Instituto Entrando em Cena é uma instituição sociocultural, que desenvolve projetos de formação artística, humana e em empreendedorismo cultural integrados para jovens dos municípios de Bragança Paulista e Atibaia, através de ações contínuas: Entrando em Cena Primeiro Ato (formação básica inicial) e Segundo Ato (módulo de formação avançado – fomento a grupos e pesquisas artísticas); Entrando em Cena no Mundo (orientação dirigida para criação e desenvolvimento de projetos culturais e sociais); Entrando em Cena Convida (encontros, vivências e apresentações artísticas de convidados para ampliação de repertório artísticos e culturais); Entrando em Cena Circula (grupos fomentados de Segundo Ato saem em circulação com projetos de espetáculo e oficinas) e Laboratórios Transver (encontros com educadora convidada sobre assuntos de interesse da juventude).

    O Instituto Entrando em Cena, por meio da Lei Rouanet, Lei Federal de Incentivo à Cultura, e do Programa de Ação Cultural do Governo do Estado de São Paulo – ProAC ICMS tem patrocínio das empresas: Energisa, CSN,  Aldebrás e Ceal – Centro de Alimentos e apoio das Prefeituras Municipais das Cidades de Bragança Paulista e Atibaia.

    // apresentação cênica
    Instituto Entrando em Cena
    Galpão da Igreja São Sebastião – Água Comprida
    Dia 15 de julho às 16h

    Apresentação cênica de números circenses – acrobacia de solo, acrobalance, aéreos e performance – com os grupos Nio Far , The Fools , Os Bagaceiros, Trupe Du-arte do Segundo Ato do Instituto Entrando Em Cena.

    //oficina de teatro de fantoche
    Marcia Aleiixo
    Galpão da Igreja São Sebastião – Água Comprida
    Dia 17 de julho das 14h às 17h
    7 a 12 anos

    Uma oficina para estimular a imaginação e criatividade da criança, criando um fantoche a partir de uma meia. Esse fantoche receberá um nome, uma personalidade e através de um jogo teatral divertido todos apresentarão na “Casinha de fantoches”, o seu próprio personagem.

    Marcia Aleixo
    Atriz e contadora de historias paulistana, formada pelo Teatro escola Célia Helena. Nos anos 90 fez parte da Trupe dos Menestréis de Oswaldo Montenegro e fundou a Casa do Teatro de Amparo com a Cia Arteatrando. Foi preparadora de elenco e fez direção de atores para cinema e teatro na Fundação São Pedro em parceria com a Casa Blanca filmes. Trabalhou como arte educadora no projeto Inventor dos Sonhos de Teatro de Mamulengo. Atua como arte terapeuta com o processo de teatro criativo, método voltado para o auto conhecimento e desenvolvimento pessoal.

    //oficina de jogos e brincadeiras
    Brincando de ser criança
    Joca Cunha
    Galpão da Igreja São Sebastião – Água Comprida
    Dias 18 e 19 de julho das 14h às 17h
    7 a 12 anos

    Brincando de ser criança
    “A brincadeira é o resultado de ações conduzidas por regras, em que se pode usar ou não objetos, mas que tenha as características do lúdico: ser regrado, distante no tempo e no espaço, envolver imaginação, dispor de flexibilidade de conduta e de incerteza.” Tizuko Morchida Kishimoto.

    Quando eu era criança, tampinhas de garrafas, toquinhos de madeira, latas, retalhos, folhas de revistas e jornais, plantas galhos,.. transformavam-se em bichos, cidades, rios, pontes, castelos, carros, espaço naves.

    E é através do uso desses materiais, do improviso, de cantorias, propor aos participantes a sensação de criação e direção de brincadeira que não necessitam de placar, números, metas, fases, para serem realizadas.

    Brincar pressupõe antes de tudo diversão, movimento e satisfação.

    Joca da Cunha
    Guia de turismo pelo SENAC – SP
    Gestor Público pela UNINTER – PR

    Envolvido com recreação desde os 14 anos, quando trabalhou voluntariamente com crianças em entidades beneficentes de Itajaí SC, sua cidade natal. Como guia realizou excursões diversas com cunho religioso, estudos de campo, visitas técnicas, corporativas, formaturas, … acrescentando em cada uma, doses de recreação para tanto realizar estreitamento de relação entre os passageiros quanto para melhor assimilação e compreensão dos conhecimentos explanados. Desenvolveu projetos de recreação em hotéis, pousadas, campings, trem, barco e até em avião. Foi coordenador/programador em diversos acampamentos e colônias de férias, destacando-se: Pumas – Campos de Jordão, Peraltas – Brotas, Três Mosqueteiros – São Paulo, Sol e Lua – Bragança Paulista., Arraial – Salvador e Acampa Thathi – Ribeirão Preto. Integrou a equipe do departamento de Eventos da rede de Colégios COC, desenvolvendo trabalhos com público de diferentes faixas etárias, desde a pré escola até os alunos do curso preparatório para vestibular. Ali organizou shows de alunos e professores, formaturas, viagens, torneios esportivos, gincanas, festivais, feiras e apresentações teatrais. Ocupou a função de professor do Ensino Fudamental 1 no colégio Porto Bragança, substituindo a tradicional Educação Física por “aulas” de recreação. Durante as primeiras edições do Festival de Arte Serrinha fez parte do núcleo de arte educação. Atualmente cria grandes jogos e desenvolve festas temáticas para aniversários em espaços abertos.

  6. Bragança Paulista

    Exposição Paralela

    A // PARALELA Lebre é o primeiro projeto cultural da Casa Lebre*. É um circuito de ocupações/exposições que irá acontecer em Bragança Paulista em paralelo ao Festival Arte Serrinha, de 3 a 30 de julho. Obras de treze artistas convidados irão ocupar espaços da cidade, alguns nada convencionais como o corredor de uma capela, quartos de um hotel e algumas caçambas de entulho. Enfeitar a cidade com estas exposições e ocupações artísticas é uma iniciativa para nos aproximar da arte e inserir “poesia” e reflexão no nosso cotidiano. As fotografias, pinturas, desenhos, textos e instalações que compõe a // PARALELA Lebre discutem o tema ” De quem é essa terra?”, questão que também orienta o Festival Arte Serrinha deste ano.

    1. ESCADARIA R. Teixeira 372 [visitação de seg a sexta das 10h às 18h]
    JULIA BAC [Pele na pele]

    2. CASA LEBRE Nicola Ortenzi 104 [visitação de terça a sábado das 10h às 18h]
    NILSON SATO [Me diz por onde você me prende]
    LUANA GEIGER [Em terra de saci todo chute é voadora]
    PENNA PREARO [Ballerinas]

    3. CAPELA NOSSA SENHORA DO BOM PARTO R. José Domingues 772 [visitação de seg a sexta das 13h às 18h]
    VIVIAN KASS [obra Sem título]

    4. PNEUS IMIGRANTES Av. José Gomes da Rocha Leal 258 [visitação de seg a sexta das 10h às 18h]
    FILIPE BERNDT [Do chão as estrelas]

    5. CASA DA VIVERDE R. Coronel Leme 371 [visitação de seg a sexta das 10h às 18h]
    MANU ROMEIRO + MARCELO DELDUQUE [Notas do porvir]

    6. HOTEL THE PLAZA Av. José Gomes da Rocha Leal 1947 [visitação 24h infos na recepção]
    GUI MOHALLEM [obras Sem título]

    7. OUTDOOR AV IMIGRANTES Av. Imigrantes na altura 1307 [visitação 24h]
    MARCELO DELDUQUE [De quem é esta terra?]

    8. BARRACÃO / CASA PINHEIRAL Av. dos Salemas 15 [visitação sex, sab e dom das 10h às 18h]
    DIEGO LAJST [O fotógrafo e o imigrante]

    9. NOVE CAÇAMBAS espalhadas pela cidade [visitação 24h]
    MARINA SALLES [Sem título]
    DAN LIMA [Mapas e machas: aspectos gráficos do abandono]
    ANDRÉ ALMEIDA [Máscaras e Buraco negro]

    10. CAPELINHAS ÁGUA COMPRIDA Bairro rural [em frente a casa da D. Maria] [visitação 24h]
    ALBERTO OLIVEIRA [obras Sem título]

    ////////

    CASA LEBRE
    Estúdio de design e produção cultural + restaurante para até 12 pax + espaço com uma programação de oficinas e exposições, na Rua Nicola Ortenzi 104, Taboão.

    /////////

    SERVIÇO
    Nas quintas de julho, às 10h, sai da Casa Lebre [ponto de encontro] uma caminhada montando um circuito que passa por algumas obras expostas.
    Nos sábados, às 15h, sai da Casa Lebre [ponto de encontro] uma bicicletada [passeio de bicicleta] que passa por algumas exposições.
    A celebração de abertura da //PARALELA acontece no dia 07 de julho, no Barracão Pinheiral, à partir das 19h.

    Mais informações: www.casalebre.com.br

    Abaixo galeria com algumas obras das exposições:

  7. Casa Viva

    A Casa Viva é um espaço de cultura, arte, música, gastronomia e convivência localizado em Piracaia.

    // Inverno na Casa Viva

    Apresentações musicais, quintas literárias e litero-musicais. A partir das 21h. Reservas por WhatsApp com Ana Laura Mosquera (11 97292-7641), válidas até 20h30. Os ingressos para as apresentações musicais custam R$ 25 e para as quintas literárias e litero-musicais, os ingressos são gratuitos.
    Praça Julio Mesquita, 56, Centro. Piracaia.

    1 de julho
    Jander José e Susana Gianini
    O duo é formado pelos cantores e violeiros Jander José e Susana Gianini. Jander José é professor, violeiro e regente do grupo Violeiros do Divino, com aproximadamente 25 integrantes em Bragança Paulista e Susana é coordenadora do projeto. O duo tem por objetivo divulgar a cultura caipira e o primeiro instrumento musical a desembarcar em solo brasileiro, a viola caipira, tocando os grandes clássicos da música raiz e as novas tendências da música regional.

    5 de julho
    Victor Más e Michel Castori
    Com repertório repleto de clássicos da Música Brasileira, os jovens músicos da região, Victor Más (trompete) e Michel Castori (trombone) apresentam na Casa Viva o melhor do choro, samba e MPB. Há oito anos, os artistas também integram a Big Band Jovem de Atibaia.

    6 de julho
    Quinta Literária com Katia Canton
    Katia Canton (São Paulo) desde pequena adorava contos de fadas e passava as tardes ouvindo histórias da tia-avó que faziam sua imaginação viajar. Estudou arquitetura, dança, jornalismo e artes. Em 1987, foi para Nova York fazer mestrado e doutorado, onde morou por sete anos, quando os contos de fadas apareceram novamente em sua vida. A tese de doutorado virou livro premiado, editado nos Estados Unidos, contando a história dos contos de fadas na literatura, no balé e na dança/teatro. A partir daí, se inspirou para escrever os livros de contos da coleção Arte Conta História. Em 1999, recebeu o prêmio Jabuti e , em 2002, com o livro “Brasil, Olhar de Artista”, recebeu o prêmio Altamente Recomendável para Crianças de Melhor Livro Informativo.

    8 de julho
    Ná Ozetti e Dante Ozetti
    A cantora e compositora Ná Ozetti e o violonista, compositor e arranjador Dante Ozetti apresentam um repertório de canções autorais de ambos em parcerias com Luiz Tatit, Itamar Assumpção, Zé Miguel Wisnik e Zélia Duncan. No roteiro, também estão incluídas composições gravadas por Ná, como Show (Fábio Tagliaferri/Luiz Tatit), Recenseamento (Assis Valente), Adeus Batucada (Sinval Silva), entre outras. Ná e Dante têm uma longa trajetória juntos. Dante foi o principal parceiro de Ná em seus trabalhos solo. Neste formato em duo, as canções são apresentadas a partir dos arranjos pré-concebidos a partir do violão de Dante e da voz de Ná, que deram origem às gravações.

    9 de julho
    Oficina Ritmos Construtores com Lucina
    Para Lucina, os ritmos são chaves que ativam o inconsciente provocando sensações e emoções definidas. Podem alterar as batidas do coração, o fluxo sanguíneo e o ânimo. Ao ter consciência deles, é possível modificar o estado de espírito individual e coletivo, atuando sobre todo o contexto energético ao redor. Na oficina, Lucina trabalha o que chama de ritmos construtores através de jogos interativos. Desta forma, podemos adquirir uma poderosa ferramenta de ação e transformação sobre o cotidiano. “Ritmo é vida que pulsa em nosso corpo. Nossos movimentos e respirações são determinados por esse bit interno composto de vibrações, ondas sonoras, pulso, impulso, recuo e silêncio”.
    Horário: das 15h às 18h
    Valor: R$170,00 (20% de desconto para pagamento antecipado)

    12 de julho
    Iara Rennó & Gustavo Cabelo
    No show “Nosso”, Iara Rennó e Gustavo Cabelo apresentam suas parcerias, em um show intimista e quente. Guitarras, voz e palavra. O repertório também traz outros parceiros de composições como Paulo Leminski, Gustavo Galo, Peri Pane e AlziraE. Iara Rennó é cantora, instrumentista, produtora musical, performer, atriz, poeta e compositora, com mais de 80 músicas gravadas por ela e intérpretes como Elza Soares e Ney Matogrosso. Iniciou a carreira cantando com a mãe, Alzira E, além de ter integrado a banda de Itamar Assumpção por 3 anos como vocalista. Gustavo Cabelo é integrante das bandas Trupe Chá de Boldo, Doideca e Stereotupi, e toca com as compositoras Alzira E e Iara Rennó, com quem gravou o álbum “Flecha”. Em 2011, ao lado de Gustavo Galo e Tomás Bastos, montou o show “As canções de Torquato Neto”. Compôs em parceria com André Balboni a trilha do curta-metragem “O fim do filme”, vencedor no Festival do Rio 2012.

    13 de julho
    Quinta Litero-musical com Lucina e arrudA
    A cantora e compositora Lucina cantará musicas do seu repertório e algumas de suas parcerias com arrudA, que também recitará alguns poemas entre as canções.  Lucina é compositora, cantora, instrumentista e curadora de projetos culturais. Sua música é bem brasileira, sofisticada na harmonização e cheia de ritmo. Consagrou-se como compositora ao ter sido gravada por importantes intérpretes como: Ney Matogrosso, Zélia Duncan, Nana Caymmi, Joyce Moreno, Tetê Espíndola, Rolando Boldrin, As Frenéticas, Jerry Adriani, Vânia Bastos, Carlos Navas, AlziraE, Wanderléa. arrudA é poeta, compositor e performer. Desde 2008, arrudA integra o projeto Canções Velhas Para Embrulhar Peixes com o compositor Peri Pane, que conta com dois discos lançados pelo selo Traquitana.

    15 de julho
    DUOFEL plays The Beatles
    No ano em que é comemorado o cinquentenário do lendário álbum Sgt. Peppers, o Duofel se apresenta com repertório exclusivo de Beatles, arranjado para instrumentos tipicamente brasileiros: viola caipira, violão tenor, violão de 6 e 12 cordas  e totalmente instrumental. O DUOFEL, formado pelos músicos Fernando Melo e Luiz Bueno, tem 13 discos gravados e mais de 150 composições editadas; foram influenciados por Beatles no início da carreira e em 2010 lançaram CD com canções da banda inglesa. A partir desse sucesso, foram convidados para a gravação do DVD no lugar onde os Beatles começaram: The Cavern Club, em Liverpool (Inglaterra). Em 2016 fecharam a trilogia Beatles com o lançamento em vinil. Em seus arranjos, utilizam arcos de rabeca, zig zum, slide e outros artifícios originais que tornam a música de uma personalidade única, levando o público a reações inesperadas.

    16 de julho
    Oficina Panificação Artesanal de Fermentação Natural
    A panificação artesanal é a base da alimentação, uma alquimia ancestral. A fermentação natural utiliza leveduras selvagens não selecionadas, que agem de forma lenta, trazendo mais aromas, maior durabilidade e melhor digestão. A oficina orientada pelo padeiro Marcelo Papi propõe, com métodos e utensílios caseiros, a realização de fermento natural e a confecção de pães artesanais. Os participantes vão vivenciar a fornada e partilhar o pão de uma massa feita antecipadamente por Marcelo, além de manusearem sua própria massa, que poderão assar em suas casas. Marcelo atua há 25 anos com gastronomia e panificação. Ao se mudar para Joanópolis, a produção de pães virou rotina para suprir a família, amigos e vizinhos. A necessidade virou prazer e a pesquisa se aprofundou, tornando a panificação sua principal atuação profissional. Seus pães marcam presença na Feira do Produtor Rural de Piracaia, na Praça Buenos Aires (SP), na Feira de Bragança Paulista e em breve estará na Feira Sabor Brasileiro, na Casa Brasileira
    Horário: das 15h30 às 19h
    Valor: R$150,00

    19 de julho
    Ubaldo Versolato, com Daniel Szafran e Luiz Waack
    Ubaldo Versolato é saxofonista, clarinetista e flautista, atuou por 20 anos na Orquestra Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo, onde realizou concertos com Tom Jobim, Milton Nascimento, César Camargo Mariano, entre outros. Participa da Banda Mantiqueira desde 1997, tendo gravado 3 discos solo e 3 discos Mantiqueira + OSESP. Participa também da Banda de Roberto Carlos desde 2009. No repertório do show, canções de Pixinguinha, Jacob do Bandolim, Severino Araújo, Tom Jobim, Jazz, músicas autorais e gafieira, para quem gostar de dançar.

    20 de julho
    Quinta Litero-musical
    Show PARALELAS, com Alice Ruiz e Alzira E
    Alice Ruiz, poeta, haicaísta e letrista e Alzira E, cantora, compositora e instrumentista, se conheceram em 1989 por intermédio de Itamar Assumpção, parceiro de ambas. A inquietude das artistas é notória nas carreiras individuais, consolidadas pela inovação, e desde que se tornaram parceiras transitam entre a música e a poesia. Em 2005, lançam o CD Paralelas, comemorando 16 anos de parcerias e poemas “proclamados” pela própria Alice, com luxuosa participação de Zélia Duncan e Arnaldo Antunes e o músico Luiz Waack, o produtor musical. Após 11 anos de estrada, a parceria ganha intérpretes da nova geração, como Filipe Catto e Juliana Kehl. A força feminina se faz presente no show Paralelas, nos assuntos das canções, na delicadeza dos versos e na cumplicidade das artistas.

    22 de julho
    Eu Passo O Tempo Todo Com Ella, com Haley Peltz e banda
    Uma homenagem musical aos 100 anos da “primeira dama da canção”, Ella Fitzgerald. Pioneira do scat singing, Ella forjou um estilo de interpretação, incorporando a linguagem do jazz instrumental na canção popular. Aos 22 anos a artista já liderava sua própria orquestra. No ano em que Ella Fitzgerald completaria 100 anos, Haley Peltz e banda apresentam um show em homenagem a esse fenômeno musical. Além de composições da própria Ella, o repertório apresenta canções que marcaram sua carreira, escritas por outras mulheres, como Dorothy Fields, Gertrude “Ma” Rainey, Ann Ronell, Bernice Petkere; bem como por seus parceiros musicais Duke Ellington, Harold Arlen, Cole Porter. Haley Peltz, norte-americana, faz parte da nova geração de cantoras que foi positivamente influenciada pelo espírito inovador de Ella. Recentemente no Brasil, Haley foi selecionada em primeiro lugar no Concurso de Canto Popular 2016 da EMESP por Arrigo Barnabé, Paulo Braga e Breno Ruiz.

    26 de julho
    Renato Anesi e Luiz Waack
    O encontro celebra os novos discos lançados por cada um dos compositores e multi-instrumentistas de cordas, Renato Anesi e Luiz Waack. Através de releituras de seus próprios trabalhos dos últimos 30 anos e também obras de artistas consagrados, os músicos compartilham arranjos e improvisos no palco. O público tem a oportunidade de desfrutar de lindas e inéditas composições, arranjos, timbres singulares e improvisos.

    27 de julho
    Quinta Literária com Carlos Pessoa Rosa
    O autor passeia pela prosa e poesia. Recebeu o prêmio MEC de literatura no gênero novela, em 2010, e o prêmio UBE/CEPE, na categoria contos, em 1998. Teve seus livros publicados pelo Coletivo Dulcinéia Catadora, pela Pequeño Editor, na Argentina e pela Amazon. O autor também é editor do site www.meiotom.art.br.

    29 de julho
    Raul de Souza e Fábio Torres
    Com um swing próprio, Raul mostra suas interpretações e o que há de melhor na música instrumental. Neste show único, acompanhado de Fabio Torres (Trio Corrente) ao piano, Raul executa composições próprias,  de Vinícius de Moraes, Tom Jobim, Cole Porter, Djavan, entre outros. O instrumentista é um dos poucos que carrega em sua bagagem tantos encontros com outros gigantes da música: Hermeto Pascoal, Cal Tjader, Lionel Hampton, Sarah Vaughan, George Duke, Stanley Clarke, Ron Carter, Frank Rosolino, Airto Moreira, Flora Purim, Milton Nascimento. O trombonista, que divide seus dias entre França e Brasil, é considerado uma referência na música instrumental em todo o mundo.

    30 de julho
    Grupo Cantoria e Coral Viva Voz
    O encerramento do Inverno Lítero-musical da Casa Viva Piracaia contará com a presença de dois corais da região: o Grupo Cantoria, de Atibaia, e o Coral Viva Voz, de Piracaia, ambos sob a regência da musicista e maestrina Myriam Hungria, moradora de Piracaia. O Grupo Cantoria foi formado em 2014, tendo como característica principal a música popular. Já o Coral Viva Voz é um projeto que reúne verdadeiros apaixonados pela música que se encontram desde o início do ano na Casa Viva Piracaia. Venha confraternizar com a gente!
    Horário: 17h. Entrada franca.

  8. 03 a 07 de julho

    Liege Pistore, Marcelo Delduque e Rafael Lama Furtado // Lab da terra

    O Lab é uma vivência para pessoas interessadas em colocar as mãos na massa, participando do processo de transformação da Serrinha. Durante a semana, nos conectaremos com o tempo da roça e a energia de abundância da natureza, em mutirões, convivência e celebração.

    A ideia é estabelecer uma pequena comunidade que participará, durante a semana, do trabalhos diário na fazenda, dos cuidados com a alimentação e das relações entre as pessoas de forma horizontal, em esquema de autogestão.

    A vivência terá momentos teóricos e de bate-papo sobre assuntos que envolvem nossas ações na Serrinha, tais como agrofloresta, permacultura, paisagens sustentáveis, manejo de águas e comunidades intencionais, entre outros; e períodos de práticas.

    A facilitação será realizada pelos agroecólogos Rafael Lama Furtado e Liege Pistore, que conduzem também os mutirões de agrofloresta, e pelos anfitrião da fazenda, Marcelo Delduque. Já está também confirmada uma vivência prática com o engenheiro e permacultor Guilherme Castagna, um dos grandes entendedores de água do Brasil, um bate papo na fogueira com o agricultor e filósofo Dercílio Pupin, da Família Orgânica, que cuida de um lindo projeto de agricultura orgânica em Piracaia, uma conversa sobre “viver em comunidade”, com o artista de processos Samuel Protetti, da Transforma Aí, e uma oficina de construção natural com terra crua no Casarão dos Irmãos, com Michel Batista Nunes, permacultor e bioconstrutor. Outras participações serão confirmadas nos próximos dias.

    Todo o funcionamento da fazenda durante os dias do curso se dará em esquema de autogestão. Cada um participa com o que sabe na cozinha, nos plantios, nos bate-papos, nas ideias. A fazenda oferece a produção interna de alimentos.

    Data
    03 a 07 de julho

    // Programação

    Segunda, 3 de julho

    _ 9h30 – Recepção, autogestão, preparar o almoço

    _ 14h – Roda de apresentações e caminhada

    _ 20h30 – Harmonização inicial

    Terça, 4 de julho

    _ Das 9h às 18h – agrofloresta / Rafael e Frida

    Quarta, 5 de julho

    _ Das 9h às 12h – vivência prática com água / Guilherme Castagna

    _ Das 14h às 18h – agrofloresta

    Quinta, 6 de julho

    _ Das 9 às 12h – viver em comunidade / Samuel Protetti – Aberto ao público

    _ Das 14h às 18h – horta /  Rafael, Frida e Valdeci

    _ Das 20h às 22h – sintropia e comunicação entre as plantas / Pupim – Aberto ao público

    Sexta, 7 de julho

    _ Das 9h às 17h – bioconstrução, prática em construção natural com terra crua /  Michel Batista Nunes, no Casarão Dois Irmãos – Aberto ao público

    Vagas
    30

    Valores (já inclui hospedagem)
    _ R$ 300,00 (quarto coletivo)

    _ R$ 450 (quarto duplo ou triplo)

    obs 1: Cada participantes traz 2 kg de grãos + 2 kg de frutas + 2 kg de legumes + um item de matinais.

    obs 2: Como os valores praticados pelo Lab são de custo, não podemos diferenciar estudantes e maiores de 60 anos.

    Local
    Fazenda Serrinha

    Sobre os facilitadores
    Liege Pistore, a Frida, é agroecóloga pela UFSCar e trabalha com plantas medicinais em sistemas agroflorestais. Começou a praticar agrofloresta junto do grupo de extensão Pés Vermelhos, na faculdade de Araras UFSCar e em assentamentos da região. Também facilita cursos de agrofloresta e autogestão. Ela vê as folhas como pinturas que contam histórias sobre as agroflorestas. Frida vive em um sítio, onde se dedica à agricultura.

    Marcelo Delduque é mateiro, editor e fotógrafo. Vive entre projetos editoriais Brasil afora e semeaduras na Fazenda Serrinha, no ofício de aumentar e conectar fragmentos florestais e agroflorestais, espalhando essa ideia até depois de onde a vista alcança. Entre os projetos, ele gosta de destacar o livro “Amazônia – Prata – São Francisco: União d’águas, o imaginário das grandes bacias fluviais brasileiras”, organizado em parceria com Bené Fonteles, finalista do prêmio Jabuti 2014, e a exposiçao “Olarias”, um retrato do bonito ofício e da vida dura dos oleiros da região de Bragança Paulista. Em 2016, criou o Estúdio Sete Pontes, que realiza livros e outras edições agregando uma rede de colaboradores, entre designers, redatores, fotógrafos, produtores gráficos, pesquisadores e ilustradores. Na fazenda, além do trabalho em campo, anfitria grupos que procuram o espaço para realizar imersões e cuida dos programas ambientais e aqueles relacionados ao território e às transformações da paisagem. Atualmente dedica-se também a documentar o ponto de encontro entre o rural e o urbano nas redondezas da região metropolitana de São Paulo.

    Rafael “Lama” Furtado é formado em Ecologia pela Unesp de Rio Claro e é mestre em Agroecologia e Desenvolvimento Rural pela UFSCar de Araras. Começou a trabalhar com agrofloresta junto ao grupo de extensão Gira-Sol da UNESP de Rio Claro, morou dois meses na Cooperafloresta na Barra do Turvo de São Paulo e já fez cursos com Ernst Gotsch, Juã Pereira e Namastê Messerschmidt. Participou ativamente do grupo de extensão Pés Vermelhos da UFSCar de Araras e acompanhou uma cooperativa de agricultores familiares em Bragança Paulista. Atualmente trabalha com políticas públicas em agroecologia, facilita cursos de agrofloresta e autogestão e é agricultor. Ele acredita que passarinhos são os maiores professores agrofloresteiros.

     

    INSCREVA-SE

  9. 10 a 16 de julho

    J. Spaniol, Helena Martins-Costa, Fabio Delduque // Residência em artes visuais

    Oferece aos participantes a oportunidade de desenvolver projetos individuais ou coletivos em artes visuais por toda a área da Fazenda Serrinha durante uma semana. A fazenda é um local inspirador para a criação, e durante a vivência os alunos poderão se apropriar dos seus espaços e interagir com o entorno, utilizando as mais variadas linguagens de trabalho.

    Data
    10 a 16 de julho

    Vagas
    40

    Valor
    R$ 150,00

    Local
    Fazenda Serrinha

    Sobre os artistas
    José Spaniol é artista plástico e professor do Departamento de Artes Plásticas da Universidade Estadual Paulista (Unesp). Entre as exposições mais recentes, estão as individuais na Capela do Morumbi, unidade do Museu da Cidade de São Paulo, no Centro Carpe Diem Arte e Pesquisa do Palácio do Marquês, em Lisboa, realizadas em 2009. Em 2010, participou da coletiva Arte e Espiritualidade no Mosteiro de São Bento, exposição premiada pelo edital Arte e Patrimônio do Ministério da cultura e Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Iphan, por intermédio do Paço Imperial com patrocínio da Petrobras (eleita pela Associação Paulista dos Críticos de Arte, a Melhor Exposição do ano de 2010). Neste ano também participou da 29ª Bienal de São Paulo. Em 2011 realizou na sede da Funarte no Rio de janeiro a exposição Colunas, contemplada com o Prêmio Funarte de Arte Contemporânea; e inaugurou, no Parque Burle Max, a obra “O Descaso da Sala”, premiada no edital arte na cidade da Secretaria de Cultura/ Prefeitura da Cidade de São Paulo. Em 2012 participou da mostra Percursos Contemporâneos, curadoria de Fábio Magalhães, mostra inaugural do Museu de Arte Contemporânea de Sorocaba – MACS; This is Brazil! 1990-2012, uma exposição sobre arte brasileira das últimas duas décadas, Palácio de Exposições Kiosco Alfonso y de PALEXCO, A Coruña, Galícia, Espanha e da Feira de Arte de Madri (ARCO), representado pela Dan Galeria.

    Fabio Delduque é artista plástico, cenógrafo, diretor de arte, produtor cultural e um dos idealizadores e o curador do Festival Arte Serrinha. Desde a década de 1980, vem realizando exposições e instalações em diversas galerias e museus no Brasil e exterior. Destaques para exposiçoes na Galeria Triangulo em 1995, Fri-Art ,Fribourg em 2007, Galeria Vermelho e Sesc Pinheiros em 2008,  na 29 Bienal Internacional de São Paulo em 2010. Além disso, atua como diretor de arte no cinema, teatro, música e até no carnaval. Entre outros, cenografou shows da Nação Zumbi, Elba Ramalho, Moska, Jorge Benjor, Mart’nalia e Daniel. Foi diretor de arte dos filmes ‘Modo Ave” (2012) de Beto Brant , “Ralé” (2015), “Luz nas Trevas” (2010) e “Canção de Baal” (2007), da diretora Helena Ignez.

     

    INSCREVA-SE

  10. 10 a 15 de julho

    Hilton Merkadante // Oficina de produção de bonecos e máscaras

    A produção de máscaras e bonecos acompanha a humanidade desde o seu princípio, sendo inclusive determinante na criação das muitas identidades culturais. São manifestações que nascem de um reflexo do real, bem como se alimentam do imaginário e que em sociedades primitivas se revestem do sagrado.

    Esta oficina tem por objetivo estimular a criação e produção de bonecos e máscaras com técnicas simples, além da incorporação de objetos do cotidiano como material expressivo. Dentro de uma poética visual calcada no contemporâneo, as técnicas tradicionais de produção são enriquecidas por uma linguagem híbrida, que incorpora outras manifestações (foto, desenho, objeto, sucata etc.).

    Data 

    10 a 15 de julho

    Vagas
    15

    Valor
    R$ 150,00

    Local
    Casarão Dois Irmãos

    Sobre o artista
    Ilustrador e artista gráfico há 34 anos, já colaborou em mais de 200 publicações. Também é professor de arte do ensino fundamental ao superior. É autor de diversos livros infanto-juvenis

     

    Inscreva-se 

     

  11. 10 a 15 de julho

    Ana Letícia Penedo // Ateliê das crianças – festival infantil

    Um ateliê no meio da fazenda com suas belezas, cores, aromas e sabores, em relação direta com a arte contemporânea. Esta é a proposta para as crianças no Festival de Arte Serrinha. A experiência do contato direto e sensível com a natureza, com histórias, passeios, desenhos e brincadeiras ao ar livre.

    Para crianças de todas as idades (as menores de 4 anos precisam estar acompanhadas de um adulto).

    Importante: pedimos para que as crianças tragam lanche e agasalho e venham com um calçado fechado para as caminhadas.

    Assistência de Cleston Teixeira.

    Data 
    10 a 15 de julho, das 14 às 17h

    Vagas
    15 por dia

    Valor
    R$ 150,00 todos os dias ou R$ 30 por dia
    A inscrição pelo site, para todo o período, garante a vaga. Inscrições avulsas na hora, apenas se houver disponibilidade. Sugerimos que os interessados entrem em contato no dia.

    Local
    Fazenda Serrinha

    Sobre a artista
    Artista visual e educadora, Ana Letícia Penedo é especialista em educação e arte em escolas, museus e centros culturais. Atua como professora de arte do ensino fundamental na Escola Nossa Senhora das Graças. Fez parte do setor educativo da Bienal de São Paulo, com mediação de visitas de escolas e público em geral. É responsável pelo educativo do Instituto Cultural Clécio Penedo, de Barra Mansa/RJ. Atualmente desenvolve uma pesquisa na área da educação sensível.  Coordena o Ateliê das Crianças do Festival de Arte Serrinha desde 2012.

    Cleston Teixeira (assistência) – Músico, ator e diretor de programas educativos de TV. Foi Diretor da Sociedade Brasileira de Ensino de Astronomia e coordenador do educativo dos planetários de São Paulo. Pós-graduado em Educação em Museus e Centros Culturais – Instituto Singularidades. Desde 2012 acompanha e registra as ações do Ateliê das Crianças do Festival de Arte Serrinha.

     

    INSCREVA-SE

  12. 17 a 22 de julho

    Fafi Prado // Arteiros na Serrinha – festival infantil

    Arteiros na Serrinha é uma divertida oficina para crianças de 5 a 9 anos, que reúne brincadeira, imaginação e criatividade a partir da exploração do espaço da fazenda.

    Data 
    17 a 22 de julho, das 14 às 17h

    Vagas
    15 por dia

    Valor
    R$ 150,00 todos os dias ou R$ 30 por dia
    A inscrição pelo site, para todo o período, garante a vaga. Inscrições avulsas na hora, apenas se houver disponibilidade. Sugerimos que os interessados entrem em contato no dia.

    Local
    Fazenda Serrinha

    Sobre a artista
    Fafi Prado é atriz, performer e artista educadora. Formada em Dança pela Escola Klauss Viana e pós-graduada em Linguagens da Arte pelo CEUMA – USP. Coordena o Projeto Matilha, coletivo dedicado a Intervenções artísticas em espaços públicos e atua como educadora em instituições de educação e de cultura desde 1992.

     

    INSCREVA-SE

  13. 19 a 21 de julho

    Luiz Braga // Imersão criativa com fotografia – LOTADA

    OFICINA LOTADA

    Oficina indicada para aprimorar trabalhos autorais, que acontecerá da seguinte forma:

    • Primeiro dia – apresentação comentada da fotografia autoral, com trabalhos do autor e de outros fotógrafos de referência, e avaliação individual dos portfólios dos participantes e definição de temas para saída livre.
    • Segundo dia – livre para fotografar com possibilidade de consultar o professor no intervalo
    • Terceiro dia – Edição final dos trabalhos dos participantes com avaliação geral e projeção dos
      selecionados

    Data
    19 a 21 de julho

    Vagas
    15

    Valor
    R$ 150,00

    Local
    Fazenda Serrinha

    Sobre o artista
    Luiz Braga é um dos grandes nomes da fotografia contemporânea brasileira.

    Nascido em Belém do Pará, onde segue vivendo, tem seu trabalho profundamente ligado à visualidade amazônica. Em 1985, fundou o Grupo Foto Pará, que presidiu no primeiro biênio, ganhando a partir dessa época reconhecimento nacional com uma série de distinções importantes, como o Prêmio Marc Ferrez (1988); Leopold Godowsky Color Photography Award, da Universidade de Boston (1991); Bolsa Vitae de Artes (1996); e o Prêmio Porto Seguro de Fotografia (2003).

    Braga tem realizado exposições individuais nos mais importantes museus e centros culturais brasileiros Em 2009, integrou a representação brasileira na 53ª Bienal de Veneza.

    Site do artista: www.luizbraga.fot.br

     

    INSCREVA-SE

  14. 18 a 22 de julho

    Ronaldo Guedes // Cerâmica marajoara – LOTADA

    OFICINA LOTADA

    Esta oficina tem como propósito vivenciar o processo de produção de peças em cerâmica inspiradas na cultura ancestral marajoara mesclando os modos de fazer tradicional com a criação artística.

    Inclui:

    • Estudos preliminares e primeiros esboços;
    • preparo do barro e início das criações e modelagens;
    • criações e modelagens;
    • pigmentações, incisões, relevos e brunimento;
    • queima.

    Data
    18 a 22 de julho

    Vagas
    15

    Valor
    R$ 150,00

    Local
    Ateliê Siriema e João de Barro

    Sobre o artista
    Ronaldo Guedes nasceu em Soure, na Ilha do Marajó (PA). É artista plástico, ceramista, escultor, ativista social e percussionista no conjunto de carimbó “Tambores do Pacoval”. É escultor autodidata há mais de vinte anos. O início de sua produção artística é marcado pelo trabalho com resíduos naturais do mangue. Ao longo dos anos passou a dedicar-se, principalmente, a produzir esculturas em madeira e a pesquisar sobre a cultura da cerâmica marajoara. Como exímio ceramista, Ronaldo transpõe para o universo da escultura o apuro formal e as nuances de cores da cerâmica marajoara, constituindo uma poética que capta a tradição, mas se consolida como linguagem contemporânea. É idealizador e responsável desde 2003, pelo ateliê “Arte Mangue Marajó”, um espaço cultural que reúne um coletivo de ceramistas e que serve de referência para a comunidade local e visitantes, por trabalhar a questão cultural, ambiental e o desenvolvimento humano sustentável. É um espaço difusor do conhecimento e da identidade cultural marajoara. Tem seu trabalho registrado e premiado pelo Ministério da Cultura, Prêmio Culturas Populares 2012 – Edição 100 anos Mazzaropi, como mestre de Cultura popular. É realizador da ação “Cerâmica marajoara: arte e ancestralidade no Pacoval (PA)”. Participou como parceiro na Expedição Serrinha no Marajó em 2016. É conselheiro Titular no Conselho da Reserva Extrativista Marinha de Soure e da Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Soure e Coordenador a AMPAC – Associação dos Moradores do Pacoval (Soure-PA), onde são realizadas oficinas de cerâmica, prática de capoeira e  rodas de carimbó, com efetiva participação de crianças, adolescente e jovens da comunidade do Pacoval.

     

    INSCREVA-SE

  15. 19 a 21 de julho

    Ronaldo Fraga // Moda e re-existência – LOTADA

    OFICINA LOTADA

    Nesta oficina os participantes irão reinventar histórias utilizando roupas brancas e velhas trazidas de casa ou garimpadas pelo mundo. As roupas – o “papel em branco” – serão transformadas com o uso de material de pintura, de bordar e, quem sabe, elementos coletados na fazenda. Como inspirações para o processo, Ronaldo apresentará filmes, livros e imagens relacionados ao tema.

    Data
    19 a 21 de julho

    Vagas
    20

    Valor
    R$ 150,00

    Local
    Fazenda Serrinha

    Sobre o artista
    Formado pelo curso de estilismo da UFMG, pós graduado pela Parsons School de NY e Saint Martins de Londres, Ronaldo Fraga é reconhecido como o estilista que mais estabelece diálogo da moda com outras frentes das artes e cultura. Alem da marca própria, tem livros publicados, exposições e projetos de aculturação de design em comunidades no Brasil, America Latina e África.

     

    INSCREVA-SE