Equipe

/// Fabio Delduque [idealizador, curador e diretor artístico]

Artista plástico, cenógrafo, diretor de arte e produtor cultural, é um dos idealizadores e o curador do Festival Arte Serrinha . Desde a década de 1980, vem realizando exposições e instalações em diversas galerias e museus no Brasil e exterior. Destaques para exposiçoes na Galeria Triangulo em 1995, Fri-Art ,Fribourg em 2007, Galeria Vermelho e Sesc Pinheiros em 2008,  na 29 Bienal Internacional de São Paulo em 2010. Além disso, atua como diretor de arte no cinema, teatro, música e até no carnaval. Entre outros, cenografou shows da Nação Zumbi, Elba Ramalho, Moska, Jorge Benjor, Mart’nalia e Daniel. Foi diretor de arte dos filmes ‘Modo Ave” (2012) de Beto Brant , “Ralé” (2015), “Luz nas Trevas” (2010) e “Canção de Baal” (2007), da diretora Helena Ignez.

/// Carlão Oliveira [idealizador, produtor Busca Vida e Teatro Rural]

Carlos de Oliveira, o Carlão, é empresário e chef de cozinha. Nascido em Amparo e criado em Bragança Paulista, passou um período fora de sua terra, primeiro trabalhando como cozinheiro na Itália, e em seguida comandando um bar no Pelourinho, em Salvador. Em 1997, fixou-se no sítio da família, na zona rural bragantina, onde criou, na velha leiteria do avô, uma pizzaria e casa de shows, que logo começou a fazer sucesso na região, principalmente por um drink criado ali, que misturava pinga, mel, limão e açúcar, batizado com o mesmo nome do lugar: Busca Vida. O sítio floresceu, ganhando, além do Galpão Busca Vida, uma pousada, um restaurante de comida romagnola e um teatro. E a cachaça Busca Vida é hoje servida em bares do Brasil inteiro. Carlão é um dos idealizadores do Festival Arte Serrinha.

/// Marcelo Delduque [idealizador, comunicação institucional, anfitrião Fazenda Serrinha] 

Mateiro, editor, fotógrafo. Vive entre projetos editoriais Brasil afora e semeaduras na Fazenda Serrinha, no ofício de aumentar e conectar fragmentos florestais e agroflorestais, espalhando essa ideia até depois de onde a vista alcança. Entre os projetos, gosta de destacar o livro “Amazônia – Prata – São Francisco: União d’águas, o imaginário das grandes bacias fluviais brasileiras”, organizado em parceria com Bené Fonteles, finalista do prêmio Jabuti 2014, e a exposiçao “Olarias”, um retrato do ofício e da vida dos oleiros da região de Bragança Paulista. Em 2016, criou o Estúdio Sete Pontes, que realiza livros e outras edições, agregando uma rede de colaboradores, entre designers, redatores, fotógrafos, produtores gráficos, pesquisadores e ilustradores. Na fazenda, além do trabalho em campo, anfitria grupos que procuram o espaço para realizar imersões e cuida dos programas ambientais e aqueles relacionados ao território e às transformações da paisagem. Atualmente dedica-se também a documentar o ponto de encontro entre o rural e o urbano nas redondezas da região metropolitana de São Paulo.

/// Veridiana Aleixo [coordenação de planejamento]

Graduada em Administração de Empresas pela FGV-SP, com especializações em Produção e Marketing Cultural e Responsabilidade Social e Terceiro Setor, trabalhou com gestão de projetos no Banco ABN Amro Real. Atua há 08 anos com gestão de projetos culturais, tendo coordenado trabalhos de produção executiva de grandes exposições como “Voom Portraits Robert Wilson” (Sesc Pinheiros, 2009), “Serge Gainsbourg, artista, cantor, poeta Etc.” (Sesc Paulista, 2009), Oscar Niemeyer: a geometria da liberdade” (Museu de Arte de Macau – China, 2011), Festival Istambul Agora (Sesc Pompeia, 2012) e Semana Ticket Cultura & Esporte (2009 a 2014).

/// Daniela Verde [produção executiva]

Formada em Geografia, é produtora e gestora cultural há 12 anos. Em Bragança Paulista idealizou e coordenou projetos de Cineclube em Escolas, Oficinas Culturais, Festivais de Teatro, Residências de Música Instrumental e Artes Visuais e Mostras de Cultura Independente. Produziu o Festival de Arte Serrinha de 2008 a 2013. Também esteve a frente da coordenação de produção e programação da Secretaria de Cultura local entre 2014-15. Atuou em projetos como: MIRADA – Festival Ibero Americano de Artes Cênicas do Sesc Santos (2010 e 2012), 7º Paraty em Foco (2011), Semana Ticket Cultura & Esporte (2011 a 2013).

/// Jodel Godoy Junior [produção]

Produtor cultural, cenógrafo e diretor de cena atuante em São Paulo, tem seu trabalho ligado a shows, cinema, teatro, artes plásticas, entre outras áreas. Em 2011, coordenou a implantação do “Hotel de Barracas” para os eventos SWU (Paulínia, SP) e Universo Paralelo (Pratigi, BA). Em 2010, foi diretor de produção do Bailado do Deus Morto, apresentado na 29a Bienal de São Paulo. Em 2009, foi produtor, assistente de arte e cenógrafo do longa-metragem Luz nas Trevas, com roteiro de Rogério Sganzerla e direção de Helena Ignez. Também atuou como assistente de arte e diretor de cena nas gravações dos DVDs de Edgard Scandurra (Teatro Fecap, SP), Luiza Possi (Vivo Rio e HSBC Brasil) e Mart’nália (Vivo Rio e HSBC Brasil). Nos anos 2009, 2010 e 2011, coordenou o trabalho de pintura de arte na rede de lojas Mandi – Brasil. Atua na produção do Festival Arte Serrinha desde 2002, tendo produzido mais de trinta shows.

/// Camila Alves [gestão de projeto]

Publicitária formada pela Universidade Mackenzie, atua há 17 anos como consultora na área de projetos culturais, sociais e esportivos com foco no planejamento e gerenciamento de projetos executados com leis de incentivo fiscal. Atualmente encontra-se envolvida nos projetos Caos on Canvas (artes visuais) e Cinefantasy (mostra de cinema fantástico) e ministra cursos sobre as leis de incentivo à cultura, planejamento e gestão de projetos culturais no Cultura e Mercado, entre outras escolas livres.

/// Helena Ribeiro Ruschel [coordenação Educativo]

É designer, produtora cultural. Depois de dez anos exercendo design se voltou para o mundo da arte contemporânea. Começou esta aproximação pelo núcleo educativo da Bienal de SP. Conheceu a produção cultural quando, durante a formação da Escola São Paulo, foi responsável pela produção e expografia de suas mostras. Em 2009 iniciou trabalhos independentes como o Off Paraty em Foco, a Galeria As, a galeria da Casa de Quem e as Exposições do Café Suplicy, todos utilizados como plataforma para apresentar trabalhos de jovens artistas. Em 2010 foi parar no Estúdio Madalena onde produziu o Festival Internacional de Fotografia – Paraty em Foco por dois anos, a Expedição Fotográfica Rio Pinheiros e o I Encontro de Pensamento e Reflexão na Fotografia. Começou a frequentar Bragança Paulista em 2013 quando passou a fazer parte da equipe de produção do Festival Arte Serrinha e a coordenar os processos educativos da Fazenda Serrinha. Hoje, sua vida se mistura com a da Casa Lebre, escritório de produção e design e espaço cultural em Bragança Paulista, apoiando e desenvolvendo projetos que estimulam o pensamento, a criação e a experimentação.

/// Maria Fernanda Carmignotto [produção, coordenação Educativo]

Pesquisadora, produtora e educadora independente, graduada em História com especialização em História, Sociedade e Cultura pela PUC-SP. Integra equipe que coordena os processos educativos dos projetos “Encontros com a Paisagem” [Fazenda Serrinha] e Rota das Artes [Bragança Paulista]. Com a Itinerante Cultural desenvolve trabalho de formação de platéia para diferentes públicos, atua em projetos em parceria com o setor público, presta consultoria para associações e entidades nas áreas de produção cultural e educação não formal. Iniciou sua jornada na Educação integrando o núcleo de arte educação do SESC-SP. Atualmente reside na cidade de Bragança Paulista e é membro da associação Edith Cultura.

/// Fernanda Perez [comunicação]

Graduada em Ciências Sociais com especialização em Gestão Cultural pela Universidade de Girona e Itaú Cultural, trabalha há dez anos com comunicação e produção cultural. Em 2007 participou da idealização e concepção do site Catraca Livre, onde trabalhou por 3 anos. Foi coordenadora de comunicação do Instituto de Arte e Tecnologia Sergio Motta, consultora na área de comunicação para o Centro Cultural da Espanha em São Paulo  (CCE-SP/AECID) e repórter do Programa Radiola da TV Cultura, onde também atuou como correspondente na Europa. Durante cinco anos, trabalhou como produtora e curadora da casa de shows  Serralheria em São Paulo. No Sesc São Paulo foi editora web. Entre 2015 e 2017 coordenou a comunicação on-line do Theatro Municipal de São Paulo.