Shows

// Galpão Busca Vida
Localizado num sítio da região onde, desde 1998, a antiga leiteria funciona como pizzaria, cachaçaria e casa de espetáculos, foi no Galpão que a cachaça Busca Vida, famosa no Brasil inteiro, foi criada. A decoração é altamente cênica e aproveitou-se de partes de cenários de teatro, antiguidades, obras de arte.

01 de julho, 22h
Curumin – Festa de lançamento do Festival Arte Serrinha 2017
“Boca” é o título do esperado quarto disco do cantor, compositor, produtor e multi-instrumentista paulistano Curumin. Lançado 5 anos após seu último álbum, o elogiado Arrocha (2012), o disco foi produzido por Curumin ao lado de Lucas Martins e Zé Nigro, que também formam a banda nos shows da turnê. Dentre as participações, além de Russo Passapusso, parceiro certo na musicalidade e na expressão, Boca traz ainda o inédito encontro com Rico Dalassam em Tramela – arrebatada por expressões inventadas e estranhamente compreendidas. Outros convidados são a espanhola Indee Styla, o rapper Max B.O e as parceiras de longa data Iara Rennó, Anelis Assumpção e Andréia Dias. “Boca” tem arte gráfica assinada por Ava Rocha. O projeto conta com o patrocínio do programa Natura Musical, através do Proac, Programa de Apoio à Cultura  da Secretaria de Cultura do Estado de SP.
Ingressos antecipados com desconto aqui.

15 de julho, 22h
Black Alien
Black Alien nasceu Gustavo de Almeida Ribeiro e subiu em um palco pela primeira vez em 1993, período de efervescência na cena underground carioca, ao lado do rapper e instrumentista Speedfreaks (1971- 2010) e do DJ Rodrigues. Foi com o Planet Hemp que o artista ganhou projeção nacional e internacional. Em carreira solo, Black Alien colaborou com grandes nomes como Paralamas do Sucesso, Fernanda Abreu, Sabotage, entre outros. “Babylon by Gus vol. I – O Ano do Macaco”, é o título de seu premiado disco de estreia solo, considerado por muitos um clássico do rap nacional. Em 2015 veio o tão aguardado “Babylon by Gus vol. II – No Princípio Era o Verbo”. A habilidade com as palavras, canto sinuoso, a rapidez no flow e o estilo jamaicano somado à facilidade em escrever tanto em inglês quanto em português tornaram-se características peculiares do artista.
Ingressos:  R$100 inteira e R$ 50 meia entrada
Ingressos antecipados com desconto aqui.

22 de julho, 22h
Nereu Mocotó com Banda Vitrolla 70
Nereu São José é o fenomenal pandeirista, cantor e compositor do Trio Mocotó ou apenas Nereu Mocotó como é conhecido mundialmente por sua forma única de tocar o seu pandeiro. Sobe ao palco com seu repertório empolgante junto com a banda Vitrolla 70, que o mesmo apadrinhou, em uma parceria essa que vem se destacando na cena musical. O repertório conta com “hits” como: Não Adianta, Beleza Beleza Beleza, Crioula, Pensando Nela e outras.
Ingressos antecipados com desconto aqui.

29 de julho, 22h
Pedra Branca
Fundado em 2001 por Luciano Sallun, o Pedra Branca é um grupo multicultural que une ritmos universais com a sonoridade brasileira e contemporânea. Com 5 álbuns lançados internacionalmente, a formação traz instrumentos como sitar, oud, didgeridoo, berimbal, darbuka, djembe, etc. O grupo apresenta a fusão de música eletrônica, dentro de diversas vertentes como trip hop, downbeat, ambient e lounge music, com as músicas instrumentais e clássicas de origens indiana, asiática, árabe, africana, latina, européia e brasileira. Durante os shows são incorporados elementos multimídias com projeções visuais, danças, performances e circo, criando uma energia musical, um encontro de sons e cores entre Oriente e Ocidente.
R$ 60 inteira e R$ 30 meia entrada
Ingressos antecipados com desconto aqui.

// Teatro Rural
Fica no Sitio Santo Antônio, próximo ao Galpão Busca Vida. Com apenas 60 lugares e construído com materiais reciclados, foi idealizado por Carlos de Oliveira, mesmo proprietário do Galpão Busca Vida, como alternativa cultural para a comunidade da Serrinha. Aqui, durante o Festival, acontecem algumas peças de teatro e apresentações musicais.

16 de julho, 18h
Tangos Brasileiros
Danças Polifônicas apresenta Tangos Brasileiros, obra transdisciplinar que propõe o encontro do esquecido tango brasileiro de Chiquinha Gonzaga, Ernesto Nazareth e Henrique Alves Mesquita com o tango portenho tradicional e moderno de Piazzolla e o tango contemporâneo. Através da história de Chiquinha Gonzaga surge uma reflexão sobre a condição feminina e o lugar da cultura na memória. Em um diálogo entre dança, música e artes visuais, cria-se um ritual que recupera raízes poéticas da América do Sul. Este projeto realizado através do Edital ProAC Artes Integradas I, produziu também um artigo com a pesquisa esta importante forma musical que influenciou o aparecimento do choro e do samba. O artigo e mais informações sobre o projeto podem ser encontrados aqui.
Gratuito

30 de julho, 18h
Bárbara Eugenia e Tatá Aeroplano
Lançamento do disco “Vida Ventureira”
Gratuito

// Café do Ateliê – Fazenda Serrinha

10 de julho, 21h
New Amsterdams Clarinet Quartet
Quarteto de clarinetistas composta por Sergio, Bart, Tom e Jesse, formados pelo Conservatório de Amsterdã, na Holanda. O trabalho do grupo se destaca pelo amor aos diferentes tipos de clarinete e principalmente pelo o prazer de fazer música em grupo. Em 2015, eles foram convidados para o festival holandês “Grachtenfestivalprijs”, o maior festival de música erudita da Holanda, e em 2017, lançaram seu álbum de estreia “An Ode to Amsterdam” no projeto de concertos “Tracks” no Royal Concertgebouw Amsterdam. O quarteto também se apresentou no 1º Festival Holandês de Clarinetes no The Muziekgebouw aan’t lj e no BIMHUIS, uma das principais casas holandesas de música contemporânea e jazz, respectivamente. Nesse festival foi possível ver todos as vertentes dos clarinetes, para todas as idades e em diversos estilos musicais diferentes.
Gratuito.

// Residência Expedição Brasil Profundo – Ateliê da Serrinha
A Fazenda Serrinha é onde acontecem as oficinas, debates e performances. Propriedade de café centenária, é reconhecida como reserva ecológica particular e abriga um parque de instalações. Funciona como centro de vivências e experimentações culturais e ambientais.

Benjamim Taubkin e convidados

18 de julho, 20h
Lena Bahule (Moçambique), Salam Alsayed (Síria) e João Taubkin

19 de julho, 20h
Meno del Picchia, Guizado, Zé Pi, Marcos Leite, Victor Rolfsen, João Velhote e Paulinho Paes.

20 de julho, 20h
José Miguel Wisnik

21 de julho, 20h
Lançamento do filme “Música pelos Poros”
Dirigido por Marcelo Machado, o filme foi gravado durante o Festival Arte Serrinha 2015.

 

(Foto por Haroldo Saboia)